Nossa História

Breve Histórico da Entidade

O Centro de Aprendizagem Metódica Profissionalizante de Mogi Guaçu teve sua fundação em 07 de abril de 1971, dentro dos moldes do Projeto “Patrulheirismo”, que foi idealizado pelo juiz da infância e juventude, Dr. Marino da Costa Terra, na cidade São Carlos, cujo objetivo era a prevenção da marginalização do adolescente, através de ações voltadas para educação, recreação e trabalho. A educação e a recreação eram orientadas por pessoas voluntárias, e o juizado ficava responsável pela autorização dos encaminhamentos dos jovens para o trabalho as firmas sócias colaboradoras mediante solicitação dos Pais ou Responsáveis que alegavam não ter condições de dar condições suprir financeiramente com a educação dos filhos, este procedimento era aceitável devido à legislação da época.

O projeto deu muito certo na cidade, algumas autoridades das cidades souberam dessa assertividade e levaram o modelo para ser executado em sua cidade, como foi o caso de Mogi Guaçu, que transformou a antiga guarda mirim vinculada a Secretaria de Promoção Social em Círculo de Amigos do Menino Patrulheiro (CAMP) de Mogi Guaçu.

Com o passar dos anos o CAMP de Mogi Guaçu, foi modificando sua atuação junto a clientela para adequar as exigências das leis pertinentes ao segmento a que pertence, ou seja, uma organização não governamental, que tem como objetivo a prevenção da vulnerabilidade social do jovem, utilizando-se como ferramenta a educação e a inserção do jovem no mundo do trabalho, e, portanto, teve que adequar-se as Leis do Estatuto da Criança e do Adolescente, a Legislação da Aprendizagem nº. 10097/00, portaria 723/12 do M.T.E. (Ministério de Trabalho e Emprego) e a Legislação da Conselho Nacional de Assistência Social de 2009. As alterações significativas iniciaram pela designação de sua sigla para Centro de Aprendizagem Metódica Profissionalizante, pelos direitos trabalhistas do jovem aprendiz, carga horária de aprendizagem prática na empresa e carga da teoria continuada, e novas terminologias na elaboração de seus projetos e relatórios e com todas as suas ações voltadas para a formação do protagonismo social.

A manutenção da Instituição CAMP de Mogi Guaçu, é feita através de contribuições mensais das empresas sócios colaboradoras, ou seja, aquelas que têm aprendizes em sua empresa, podendo também receber verbas mediante encaminhamento de seu projeto nos Conselhos da Assistência Social e dos Direitos e Defesos da Criança e Adolescente municipais.

A responsabilidade jurídica das ações da Instituição fica a cargo dos membros voluntários da Diretoria Administrativa.